Clinifemina

  (48) 3223-3031

Seg. à Qui. 07h45 min às 19h
Sex 07h45 min às 18h30 min

  (48) 3223-3031

Seg. à Qui. 07h45 min às 19h
Sex 07h45 min às 18h30 min

  (48) 3223-3031

Seg. à Qui. 07h45 min às 19h
Sex 07h45 min às 18h30 min

Diabetes: tipos, causas e tratamentos

Mesmo com todo o avanço da medicina para o tratamento das mais diversas doenças, o diagnóstico de diabetes ainda assusta a maioria das pessoas. Mas não precisa ser assim. Com informação confiável e tratamento adequado, é possível conviver com o diabetes e manter a qualidade de vida.

Pensando nisso, preparamos este material para esclarecer algumas dúvidas sobre a doença, seus tipos, causas e tratamentos. Siga com a gente para saber mais sobre os cuidados e a importância do acompanhamento médico nestes casos.

O que é diabetes e quais suas causas? 

diabetes é uma doença crônica muito temida, especialmente pelas consequências que pode trazer à saúde quando fora de controle. De maneira geral, pode-se dizer que ela atinge a produção de insulina pelo pâncreas. 

Com isso, impede o equilíbrio dos índices de glicose no sangue. Quando este nível fica alto, ocorre a chamada hiperglicemia. A recorrência dessa condição pode levar a danos nos vasos sanguíneos, em alguns órgãos e nos nervos.

Atualmente, de acordo com a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes), estima-se que mais de 13 milhões de pessoas, no Brasil, convivam com a doença. Este número corresponde a quase 7% da população e se repete em uma infinidade de países. 

Entre suas principais causas, o Ministério da Saúde destaca o envelhecimento da população, a urbanização crescente e a adoção de estilos de vida pouco saudáveis (como sedentarismo, dieta inadequada e obesidade).

💡   A insulina é o hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue. O corpo precisa dela para utilizar a glicose como fonte de energia.

Quais os tipos da doença?

Existem basicamente três tipos de diabetes, definidos de acordo com o desenvolvimento e a forma como o distúrbio se apresenta. Em linhas gerais, temos o Diabetes tipo 1, o Diabetes tipo 2 e o Diabetes gestacional.

Diabetes tipo 1

Normalmente, surge na infância ou adolescência (entre os 10 e os 14 anos) e inibe parcial ou totalmente a produção de insulina, geralmente devido a um processo auto imune. 

O diabetes tipo 1 é frequentemente associado a outros distúrbios como a Tireoidite de Hashimoto e a Doença de Addison. Entre 5 e 10% dos diabéticos fazem parte do tipo 1. Nestes casos, o tratamento é feito à base de injeções de insulina, alimentação balanceada e atividades físicas;

Diabetes tipo 2

Surge predominantemente na idade adulta. Este tipo de diabetes é caracterizado, basicamente, pela incapacidade de aproveitar a insulina produzida pelo corpo e, em geral, há redução nesta produção. 

Estudos mostram que alguns grupos são mais suscetíveis ao desenvolvimento deste tipo da doença. Entre eles, estão:

  • pessoas com excesso de peso ou obesidade;
  • indivíduos acima dos 30 anos;
  • histórico familiar de diabetes tipo 2.

O diabetes tipo 2 é tratado de acordo com a gravidade, podendo ser controlada com dieta equilibrada e exercícios físicos, em alguns casos, com injeção diária de insulina.

Diabetes gestacional

Este tipo de diabetes pode surgir na gravidez caso o pâncreas não responda às alterações hormonais — comuns nesse período — que exigem o aumento na produção de insulina para manter o equilíbrio da glicose.

Ela costuma ter intensidade variada e geralmente se resolve no período pós-parto. No entanto, é importante manter a atenção, pois, em grande parte dos casos, ela retorna após algum tempo sob a forma de diabetes tipo 2.

Entre seus principais riscos estão o crescimento excessivo do bebê e, consequentemente, partos traumáticos, hipoglicemia neonatal e até risco de obesidade e diabetes na vida adulta. Além disso, as alterações glicêmicas podem levar à icterícia, ao aborto espontâneo e à pré-eclâmpsia.

Quais os sinais de diabetes?

A melhor forma de diagnosticar o diabetes é por meio de consulta ao médico endocrinologista, que irá conduzir os exames necessários para este fim. No entanto, você pode ficar atento a alguns sinais:

  • urina excessiva;
  • muita sede ao longo do dia, apesar de ingerir muito líquido;
  • dores abdominais (especialmente em crianças);
  • perda de peso, mesmo com alimentação regular;
  • visão embaçada;
  • sonolência ou enjoo.

Se você ou alguém da família apresentar um, ou mais entre esses sintomas, a recomendação é procurar atendimento especializado, de preferência com um endocrinologista.

Como é o tratamento do diabetes?

O melhor tratamento é a informação. Ciente de como o distúrbio de comporta, fica mais simples adotar hábitos que ajudem a manter o diabetes sempre controlado. Alguns dessas atitudes incluem:

  • seguir uma dieta adequada;
  • praticar atividade física;
  • emagrecer (se a pessoa estiver com excesso de peso);
  • usar os medicamentos prescritos pelo endocrinologista;
  • medir a própria glicemia regularmente.

O diabetes é uma doença crônica, que não tem cura. Assim, o acompanhamento médico é fundamental para mantê-la sob controle e diminuir os riscos associados ao desenvolvimento dessa patologia. 

Além dos check-ups de rotina, é importante estar atento aos sinais do seu corpo. Se você estiver com algum sintoma, fale conosco pelo WhatsApp para agendar sua consulta e obter um diagnóstico definitivo. Nossos profissionais estão prontos para ajudá-lo em todas as suas dúvidas. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dra Ivana

Drª Ivana Fernandes de Souza

Ginecologista 
CRM 5933 / RQE 3717

  •  Especialista em Ginecologia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia
  • Pós graduada em Medicina do Adolescente pela Faculdade de Ciências
    Médicas de Minas Gerais
  • Fellow em Ginecologia da Infância e Adolescência pela Federação Internacional da especialidade (FIGIJ)
  •  Professora do Curso de Medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina.
Dra Ivana

Drª Ivana Fernandes de Souza

  •  Especialista em Ginecologia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia
  • Pós graduada em Medicina do Adolescente pela Faculdade de Ciências
    Médicas de Minas Gerais
  • Fellow em Ginecologia da Infância e Adolescência pela Federação Internacional da especialidade (FIGIJ)
  •  Professora do Curso de Medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina.

Drª Caren Leivas Pozzer

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.pulvinar dapibus leo.Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo